sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

Até Sempre!


Este Natal foi um pouco diferente dos anteriores. Estas coisas não acontecem quando se pede, ou porque calha melhor na agenda no dia tal… são fatais, acontecem e pronto.
Logo depois do almoço, quando o estômago estava já reconfortado e a gula aumentava à medida que as sobremesas se aproximavam, o telefone tocou. Pensei que fosse mais alguém a desejar as boas festas, mas não, do outro lado uma notícia triste destruía o nosso almoço e a tranquilidade do dia.
A minha tia Ivone morrera nessa manhã. Precisamente um dia antes de completar um ano do AVC que a colocou numa situação praticamente incomunicável, vivendo numa espécie de limbo do qual nunca regressou. Naquele momento, tudo acabara, uma vida de luta e de trabalho nos campos do Alentejo, de suor sofrido, de força viva que lhe emanava nas veias…uma mulher de armas cedendo ao mais cruel dos rituais de passagem que todos nós um dia atravessaremos.
Compreendi que naquele estado, talvez a morte tivesse sido a melhor solução, mas é sempre com pena que vemos um ente querido partir e a família a diminuir. Ainda há tão poucos anos, ela enterrara o filho, vítima também de um acidente cardio-vascular e agora era a vez dela...
Nunca a esqueceremos, a sua fala cantada, o sorriso aberto com que nos recebia, as histórias de medo e terror que nos contava, sobre fantasmas nas planícies alentejanas… de tudo isso iremos sentir falta tia…
Não há dúvidas que esta vida é uma passagem… cada vez mais rápida e efémera, só quem nos marca sobrevive em nós!
Até sempre tia Ivone!

2 comentários:

Anónimo disse...

Olá amiga,

As minhas sinceras condolências :0(

Infelizmente é a única certeza que temos na vida.....

um grande beijinho
Sandra

oasis dossonhos disse...

Que bela homenagem a uma tia maior que o pensamento. Xi coração solidário
Luís