domingo, 31 de janeiro de 2010

Exposições em foco

Deixo-vos hoje uma dica sobre uma exposição que vi há uns meses atrás, mas ainda estará aberta ao público até ao dia 11 de Abril. Trata-se da exposição «Índia- Mito, Sensualidade e Ficção», patente no Sintra Museu de Arte Moderna Colecção Berardo. A exposição apresenta três núcleos temáticos, que têm em comum a cultura indiana.

No primeiro grupo podemos encontrar uma fotobiografia de Mahatma Gandhi intitulada «A minha vida é a minha mensagem», apresentada pelo museu já citado em colaboração com La Casa Encendida e a Gandhi Server Foundation. Esta mostra é composta por 60 fotografias, sobre a vida pública e privada de Gandhi, desde os seus sete anos, até ao seu trágico assassinato em Nova Deli. Além das fotografias podemos encontrar também textos originais, citações e alguns documentários, assim como uma reprodução do seu quarto na casa Birla, em cujo jardim foi assassinado, assim como cartas para Tolstoi e Hitler.

O segundo núcleo expositivo muito interessante apresenta a modernidade indiana através de três gerações familiares: Umrao Sing Sher-Gil, amrita Sher Gil, Vivian Sundaram e Navina Sundaram.

Desta forma estabelece-se a relação entre as pinturas de Amrita Sher-Gil e as fotografias de seu pai, Umrao Singh Sher-Gil, um dos fundadores da fotografia na Índia. As obras destes artistas são retomadas nas foto-montagens de Vivian Sunduram, sobrinho de Amrita, neto de Umrao. Neste núcleo torna-se interessante descobrir o que é montagem e o que não é, assemelhando-se quase a um jogo. Eu, que fiz a visita começando pelas montagens, tendo só visto posteriormente os originais, diverti-me a verificar o que parecia inventado nas fotografias, só no fim é que tudo fez sentido, quando descobri as imagens originais. Nada que nós hoje não possamos fazer com as nossas fotografias antigas recorrendo ao Photoshop, mas o resultado foi muito engraçado.

Por fim o último núcleo expositivo é composto por peças da colecção Berardo, antiguidades indianas com referências claras ao culto hindu (pequenas estatuetas, baixos relevos em madeira) e uma série de fotografias documentais de Juan Bécquer, dos anos 50 e 60, que nos revelam uma Índia mítica e imponente.

Se for a Sintra, já sabe, não perca esta exposição!

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Feira da Ladra enquanto espaço colectivo

A Feira da Ladra é um espaço que se constrói simbolicamente em actos contínuos em cada terça e sábado.Nos restantes dias, o espaço que ocupa é um lugar quase destinado a parque de estacionamento sem grande intensidade colectiva, onde o espaço público é seguramente, apenas um lugar de passagem para quem ali trabalha ou reside.
É enquanto Feira da Ladra, que este espaço se transforma e ganha vida, tornando-se o Campo de Santa Clara num verdadeiro pólo centralizador da cidade, atraindo e catalizando “multidões”. Quem a visita desconhece, quase sempre, o verdadeiro espaço físico que a rodeia, ao ponto de se surpreender quando por ali passa em dias em que não há feira. É pois um lugar antropológico que se reaviva e esmorece constantemente, conforme os dias da semana.

As sociabilidades

Em dia de feira, há algo no seu ambiente que nos faz esquecer que estamos em Lisboa. O retrato que dela podemos tirar dá-nos conta de uma rede de sociabilidades muito intensa, quer entre os vendedores uns com os outros, através do convívio que estabelecem ao longo do tempo, quer no tipo de relação que se estabelece entre estes e os compradores.
A lógica do citadino que passa friamente sem se tocar, aqui não parece fazer sentido, embora o anonimato se faça sentir, pois nem todos os indivíduos que visitam a feira se conhecem. Porém, existe algo que apela à relação, nem que seja pelo simples facto que muitos dos produtos são regateados.

«Os clientes vêm ter connosco devido a uma tradição, uma certa amizade que já se interpõe, uma certa confiança. Nós temos de fazer um esforço que as lojas normalmente não fazem. Grande parte das pessoas vêm aqui e precisam de uns ouvidos para as escutar, precisam de desabafar e na loja há sempre aquele limite, aquela distância.» (um vendedor de roupa)

Um outro dos aspectos interessantes desta feira é que há lugar para pessoas de todas as ideologias, cores, raças ou credos, desde ciganos, sul-americanos, africanos, heavy metals, punks, reggaes, vanguardas, hippies, fadistas, gente de classe alta e baixa. Enfim, uma grande mistura de estilos que reflectem o percurso de vida de cada um.
A Feira da Ladra é, assim, um verdadeiro encontro de culturas e tradições, por outro lado, é um espaço onde as diferenças se assumem e afirmam.

Os conflitos

Ao contrário do que se possa pensar, os conflitos são também, um dos aspectos que caracterizam um lugar antropológico, na medida em que evidenciam o poder do controlo social existente e avivam as relações entre os indivíduos.
A Feira da Ladra é também um lugar de conflitos. Muitos deles passam-se entre os vendedores, se bem que nunca atinjam proporções graves, devendo-se sobretudo a invejas ou intrigas, resultantes de alguma concorrência entre eles.
Outro foco de conflitos verifica-se muitas vezes entre os fiscais e os feirantes. Estes casos incidem geralmente entre os jovens e entre os vendedores que não possuem licença vender. Quando os casos tomam proporções mais sérias, a polícia intervém.
Outro foco constante de conflito tem a ver com os roubos que ali se praticam, pois a feira, tal como o próprio nome indicia, é um dos pontos da cidade mãos conhecido pelos negócios ilícitos que ali se promovem e onde se procura desfazer de mercadorias, provavelmente roubadas. Assim, muitas são as vendas de material roubado e muitos os proprietários que a ela acorrem na esperança de reaver os seus pertences furtados ou desaparecidos.
Podemos ver assim que, se por um lado, este espaço promove o encontro, o diálogo e as sociabilidades “positivas”, este é também um espaço em que se convive com o engano, surgindo por vezes situações inclusive de violência e de actuação policial.

A FEIRA DA LADRA: UM LUGAR ANTROPOLÓGICO


Dando seguimento aos posts anteriores retomo a temática da Feira da Ladra e da sua importância enquanto lugar antropológico. O texto que passo a transcrever já tem alguns anos, é datado de 1996, mas considero que ainda tem bastante pertinência e não se encontra ainda muito desactualizado, é inspirado sobretudo no autor Marc Augé.

1. A Definição de um lugar antropológico

Os lugares são elementos fundamentais do espaço que nos rodeia. São superfícies transformadas pelo homem, adquirindo um sentido e um significado, na medida que os indivíduos que os habitam lhes imprimem algo de si e os tornam “palco” de relações colectivas e de sentimentos partilhados. Só assim, os lugares deixam de ser um espaço abstracto e adquirem uma linguagem e um meio de expressão entre os indivíduos.
Falamos, pois, da construção do lugar antropológico. Segundo Marc Augé (1), autor que aprofundou o estudo sobre esta temática, estes lugares são tradicionais, produzindo nos seus habitantes um efeito de identificação de si próprios, onde existe uma memória colectiva que se (re)actualiza constantemente.
Neste sentido, como o próprio Marc Augé o definiu, os lugares antropológicos são:

«…[uma] construção simbólica do espaço que, por si só, não poderia dar conta das vicissitudes e das contradições da vida social, mas à qual se referem todos aqueles a quem ela atribui um lugar, por mais humilde e modesto que seja.» (2)

Por outro lado, são lugares que se pretendem identitários, relacionais e históricos.

«O lugar é (…) histórico, na medida em que conjugando identidade e relação, se define por uma estabilidade mínima, e desde que os que nele vivem possam reconhecer pontos de referência que não têm de ser obrigatoriamente objectos de conhecimento.” (3)

Ao não negar a presença do “outro”e ao rever nele, muitos dos padrões e moldes culturais em que foi criado, o indivíduo que “habita” o lugar antropológico autoprotege-se da perda da identidade e da solidão dos não-lugares, isto é, lugares desprovidos de investimento humano.
Vejamos agora , em breves linhas, o modo como as feiras têm actuado como lugares de convívio e de reunião, ao longo dos tempos, sendo um dos lugares antropológicos mais antigos da nossa história.

O contexto relacional das feiras

Não se sabe ao certo a época em que surgiram as primeiras feiras e mercados, embora se pense que fossem fenómenos económicos-sociais conhecidos pelos Gregos e Romanos. Aparecendo na história das mais remotas civilizações, estas derivariam, seguramente, da necessidade de troca dos artigos essenciais à vida.
Em Portugal, as primeiras referências às feiras encontram-se em documentos legislativos, datados dos primeiros anos da nacionalidade.

«Nascidas da necessidade de promover a troca de produtos entre o homem do campo e o da cidade, elas representam o ponto onde se concentrou a vida mercantil duma época em que a circulação das pessoas e das mercadorias era dificultada pela falta de comunicações, pela pouca segurança das jornadas e pelo excesso de portagens e peagens. » (4)

Desde aí, as feiras serviam não só um fim económico, mas representavam também um papel importante do ponto de vista social e cultural, permitindo a partir da reunião, a oportunidade da população se expandir.

«Era nas feiras que se obtinham notícias do que se passava pelo “mundo”, do resultado das colheitas das regiões circunvizinhas e de tantos outros assuntos que (…) são a base do cavaquear do Povo.» (5)

Afastados fisicamente, os indivíduos viam nesses momentos ocasião para se reunirem e trocarem notícias e boatos quer do exterior, quer da própria comunidade a que pertenciam.
As feiras e os mercados da Idade Média representavam, nesta perspectiva, o papel que hoje é desempenhado pelos mass media, ligando e aproximando os indivíduos do mundo exterior e dos acontecimentos mundanos mais marcantes.
Contudo, “mudam-se os tempos, mudam-se as vontades”, o mundo ele próprio evoluiu e muitas das características essenciais das feiras foram-se subvertendo, pela revolução urbana que transformou todos os conceitos de vizinhança e de mercado. Os conceitos de feira/mercado que na Idade Média eram indissociáveis distinguem-se, evoluindo os mercados no sentido de se tornarem quase só centros de abastecimento de produtos alimentares e de primeira necessidade, perdendo estes os aspectos lúdicos e sociais a eles associados, que pelo contrário, continuam a caracterizar as feiras. Estas, apesar de “decaídas do seu antigo esplendor em consequência da maior facilidade de comunicações” (6), são ainda uma “curiosa e útil instituição.” (7) Prova disso será a Feira da Ladra, que mesmo situada em tecido urbano, continua a marcar uma forma de convivencialidade muito própria.


Notas
(1) Augé, Marc – Não Lugares: Introdução a uma Antropologia da Sobremodernidade, Venda Nova: Bertrand, 1994
(2) Op. Cit. p. 58
(3) Op. Cit. p.61
(4) Rau, Virginia – Subsídios para o estudo das Feiras Medievais Portuguesas, Lisboa: Bertrand, 1945, p.9
(5) Op cit. p.29
(6) Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira – Lisboa/Rio de Janeiro: Editorial Limitada, 1945, p.38
(7) Ibid. p. 38

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

A origem etimológica do termo Feira da Ladra

A origem etimológica do termo Feira da Ladra e as suas contradições



A origem que está por detrás do seu nome tem sido alvo de várias teorias, não se tendo chegado a uma conclusão definitiva. Todas as hipóteses parecem ser portadoras de sentido, quando analisadas isoladamente, porém a verdadeira razão permanece desconhecida.
O arqueólogo e olisipógrafo, Augusto Vieira da Silva, apresenta uma versão curiosa baseada no facto de existir normalmente uma ligação entre os locais e os nomes, alcunhas ou profissões dos que neles viviam ou os frequentavam. Assim sugere que a origem desta denominação proviesse de uma alcunha de uma das personalidades da dita feira.
Contudo, mais verosímil parece uma outra hipótese que defende a associação do nome da feira ao tipo de negócio que aí ainda existe. Não esqueçamos que muitos dos objectos são já usados, derivando muitas vezes de roubos. 3
Este nome pode também dever-se ao tempo em que a feira esteve localizada no Rossio. Muitos Pregadores, à semelhança de Frei António do Rosário, apelidavam-na de “Ladra”, já que estava na origem de muitos desvarios e causa de muitos pecados. 4
Outros investigadores adiantam que a raiz etimológica venha de “lada”, o que segundo Pinho Leal, significaria no português antigo “margem de rio” porque, segundo ele, esta feira teria estado no século XII às portas do mar (Ribeira Velha), sobre a margem direita do Tejo.
Esta teoria suscitou novamente polémica, tendo sido discutida largamente em quatro números do Jornal do Comércio.
Contudo, Alberto Pimentel refuta esta teoria. Segundo ele, a Feira da Ladra nunca esteve na margem do Tejo, sendo a feira que lá se realizava de bens de primeira necessidade, nada tendo a ver com a que se realizava no Rossio às Terças-Feiras.
Outra perspectiva é a de Henrique O’Neill que defende que “Ladra” poderia ser uma assimilação de “lázaro” ou “lazarento”, “miserável”. Por outro lado, o nome poderia ter relação directa com uma feira muito importante em Paris, chamada Saint Ladre, ou ainda poderia derivar do piolho “ladro”, insecto que aparece junto às velharias, muito comuns neste tipo de feira.
Torna-se difícil saber qual destas hipóteses será a mais adequada, uma vez que todas parecem peças importantes do puzzle, conferindo juntas uma totalidade coerente: a verdadeira Feira da Ladra.

3 Cf. José Ribeiro Guimarães, “ Feira da Ladra” in: Jornal do Comércio, nº 6284, Lisboa, 16/10/1874, p.1

4 Cf. Frei António Rosário, Feyra Mystica , 1691

Feira da Ladra : A história de uma feira sem idade

Vou dedicar os próximos posts à feira da Ladra, situada no Campo de Santa Clara, em Lisboa, por ter sido um dos meus terrenos antropológicos, onde fiz o meu trabalho de licenciatura em Antropologia, na Faculdade de Ciências Sociais Humanas, no ano lectivo de 1995/1996. Para que o trabalho não ganhe traças e teias de aranha, vou arejá-lo partilhando convosco algumas partes do mesmo. Espero que fiquem entusiasmados e que vão passear até lá! É um lugar sem idade!


Formação da Feira da Ladra e percurso histórico

A Feira da Ladra, tão típica e pitoresca da cidade de Lisboa, ao contrário do que se possa pensar num primeiro instante, não é um fenómeno contemporâneo, o seu percurso histórico é longo e sem dúvida notável, sendo decerto a mais antiga feira que, ainda hoje, se realiza com bastante vivacidade, no concelho de Lisboa.
A sua origem remonta à fundação da nacionalidade, aos primórdios da monarquia, tendo acompanhado o crescimento e a formação da cidade de Lisboa.
Pensa-se que tenha tido início entre 1185 e 1223. O seu nome não era ainda “Ladra” mas “Mercado Franco de Lisboa”. A sua primeira localização foi junto ao Castelo de S.Jorge, na muralha sul, no que então tinha o nome de Chão da Feira. Ester mercado fazia-se apenas num dia indicado da semana, à Terça feira.
Em 1430, a feira passou a efectuar-se no Rossio e aí permaneceu durante os séculos XVI e XVII e metade do século XVIII.
Em 1809, a feira é transferida do Rossio para a Praça da Alegria, pelo Edital de Novembro de 1809, em virtude do terramoto de 1755, já que o Rossio foi sujeito a obras de reconstrução, tendo ficado os locais indisponiveis com Os entulhos e os trabalhos de reedificação.
No entanto, com o crescimento da feira, os feirantes foram aumentando aos poucos as delimitações inicialmente tomadas, chegando por sua iniciativa até ao Palácio do Cadaval. Tal situação provocou no Marquês de castelo Melhor fervorosos protestos, apresentando constantes reclamações à Câmara.
A 2 de Fevereiro de 1823, a Câmara decide trnsferir a feira para o Campo de Sant’Ana, mas perante a oposição dos feirantes e sob a condição destes não ultrapassarem a esquina da Calçada da Glória, estas mudanças acabam por não se realizar, tendo permanecido em Sant’Ana apenas cinco meses.
Em Abril de 1804, a transferência acaba por ser inevitável devido às obras do alargamento do Passeio público, onde se efectuava a feira.

Fixando-se a feira no Campo de Sant’Ana, permitiu-se que funcionasse todos os dias.Com o decorrer do tempo, esta passou a efectuar-se só às terças-feiras.
A Feira da Ladra permanece no Campo de Sant’Ana quarenta e sete anos, até que por deliberação camarária de 19 de Dezembro de 1881 e do edital de 23 de Fevereiro de 1882, foi transferida para o Campo de Santa Clara.
A resolução foi mal recebida, uma vez mais, por parte dos feirantes fazendo-se desde logo sentir protestos já que se tratava de uma zona, na altura, pouco acessivel ao consumidor comum.
Atendida a reclamação no dia 18 de Abril do mesmo ano, voltaram ao antigo lugar.
A 1 de Julho de 1882, a Feira da ladra acabaria por se instalar definitivamente no Campo de santa Clara. Este facto levou a que muitos dos seus frequentadores mudassem, devido à forte oposição que a mudança ocasionou.No entanto, o rápido crescimento da cidade proporcionou o aflorescimento dos seus consumidores habituais num curto espaço de tempo.
O funcionamento da feira em santa Clara era somente às Terças-feiras, como já vinha sendo hábito nos locais anteriores por onde passou. Só a partir de Novembro de 1903 foi conferido o Sábado como mais um dia de feira (facto que ainda hoje se mantém).
Com o passar dos tempos, esta feira foi perdendo as características que a assemelhavam aos mercados (existiam cada vez menos produtos alimentares à venda) passando a concentrar-se sobretudo no negócio de artigos velhos e usados.

As mentes mais conservadoras não viam com bons olhos este tipo de comércio,alegando que se tratava de uma extravagância exagerada, um autêntico “oceano de lixo”.
A tendência da venda dos objectos usados intensificou-se de tal maneira que se passou a utilizar o Mercado de Santa Clara, inaugurado em 1877, unicamente como ponto de venda obrigatório de géneros alimentares (carnes, peixes e produtos hortícolas).
Em 1920 e até 1935, a Feira da Ladra era uma coisa diminuta, não abragendo mais do que uns escassos metros quadrados, junto ao Arco de S.Vicente.
Com o decorrer dos anos, a feira continuou a ser conhecida, até perto dos anos 70, como a feira ads velharias.
Nos dias de hoje, apesar do “velho” ainda estar presente e ter o seu valor, concorre com o comércio do “novo”.
O percurso histórico da feira da Ladra está cronologica e sumariamente delineado até aos nossos dias, sendo este marcado pela transição e mobilidade espacial.
Em cada período histórico delimitada a um espaço único, esta feira adquiriu uma popularidade justificada uma vez que para além de testemunho vivo de várias mentalidades, ela partilhou vivências e particularidades com os múltiplos locais em que se instalou.