quinta-feira, 6 de março de 2008

Mais uma noite a não esquecer, mais uma vez pelos piores motivos…

Ontem à noite, chegava eu do ginásio, alegre e contente à minha nova casa, quando me pareceu ouvir alguém chorar. O choro era tão alto e comovente, que de repente me petrifiquei. Ainda pensei que fosse alguma telenovela pois era hora delas. Aproximei o meu ouvido da porta do vizinho da frente, naquele meu ímpeto, que por vezes é mais forte do que eu, mas pareceu-me ouvir alguém a falar. Pensei que talvez fosse uma desavença familiar, talvez não fosse de bom-tom bater à porta e por isso meti-me para dentro.
Mal acabei de fechar a porta, continuei a ouvir o choro, cada vez mais alto e aflito. Entretanto, apercebendo-me que alguém chegara a casa, fiquei atenta vendo do óculo da minha porta. Não queria armar-me em coscuvilheira, mas queria saber se era de facto preciso alguma coisa. Assim que a pessoa entrou, não tardou também a chorar muito alto. Nesse momento vacilei, algo de muito grave tinha acontecido naquela casa. Abri a porta timidamente e ofereci ajuda. O vizinho que vivia defronte mim, com 76 anos, morrera sozinho, vítima não se sabe muito bem de quê. Estaria morto na varanda há algum tempo quando o filho chegou. Reforcei a chamada de urgência já pedida para o 112, para me sentir útil e assim que eles chegaram e confirmaram o óbito, em respeito da família destroçada meti-me para dentro. Confesso que queria ter podido fazer mais alguma coisa. Mas, achei que o melhor era não me intrometer e respeitar o sofrimento lancinante do filho e nora, completamente em colapso nervoso. O que dizer nestas alturas? É sempre tão embaraçante, tão constrangedor… Espero que não tenham levado a mal, mas não voltei a abrir a porta até levarem o corpo.
Praticamente nunca tinha falado com estas pessoas, mas não posso esconder que esta cena me comoveu e me enervou até ao tutano. Na verdade, é uma situação que me aflige muito, principalmente agora que vivo sozinha… a aflição de ter um problema aparentemente simples, mas que pela solidão pode ser fatal…O que terá pensado este homem, terá tido consciência que morria sem ajuda?
Que me perdoem… estas palavras, mas não suporto ver o sofrimento diante de mim, e não poder fazer nada para minorar o problema. A solidão dos idosos continua na ordem do dia… Cada vez se vive e se morre mais só!!!

1 comentário:

Anónimo disse...

Olá Amiga,

De facto, não é uma situação nada agradavél... Paz à sua alma.
Cada vez mais as pessoas estão sozinhas... deve ser muito triste morrer sozinho...

bom fim de semana :0)

beijos
Sandra