domingo, 30 de agosto de 2009

Amesterdão

Esta é sem dúvida uma das cidades mais loucas do mundo, mas também onde nos sentimos completamente à vontade. Imperam as liberdades individuais, mas parece que tudo tem o local próprio para isso, a prová-lo estão as coffee shops, e as cabines do bairro vermelho, onde só ali tem sentido as transgressões.
Esta cidade cosmopolita, cheia de movimento e com um ritmo de vida quase taquicárdico, leva-nos a descobrir recantos, a conhecer pormenores da sua cultura e a caminhar freneticamente pelas ruas. Aqui a qualidade de vida sente-se no ar, menos poluído que a grande maioria das grandes cidades europeias, dado que a bicicleta é o principal meio de transporte.
Aqui tive a oportunidade de conhecer a Casa onde Anne Frank viveu refugiada durante o período da ocupação nazi, e para mim esta foi uma experiência algo arrepiante, pensar que aquela menina, que escreveu o diário que li quando era adolescente, tinha vivido naquelas paredes... Impressionou-me bastante, mas fiquei contente por ter podido visitar aquele espaço. Outros locais interessantes foram o Museu Van Gogh, onde pude ver ao vivo diversas obras de arte do autor, algumas bastante conhecidas, assim como o Museu Rijksmuseum, impressionante para conhecer a história de arte deste país, e para perceber o discurso que os holandeses têm sobre si mesmos, relativamente à história, a Portugal e a Espanha e ao seu passado de piratas, por exemplo.
Foi pouco o tempo que tive para explorar todas as potencialidades da cidade, mas o foi o suficiente, para me sentir num dos grnades centros urbanos do mundo, onde tudo acontece!!!



Um passeio de barco à chegada a Amesterdão




As casas flutuantes abundam nos canais


Bairro Vermelho à noite

Perspectiva nocturna de Amesterdão
Fábrica de Diamantes Gassan

Mercado das flores

E agora... o que levar?


Transportes públicos
As coffee shops e o seu cheiro caracterísitico
Paragem obrigatória: O Museu do Van Gogh

Sem comentários: