domingo, 14 de novembro de 2010

Cai a noite no Alentejo


Cai a noite no Alentejo,
Cai a noite devagar,
Cai a noite no Alentejo
Pouco a pouco com vagar,
As horas perdem-se no tempo
E os campos cão ficando mais sozinhos.
Cai a noite no Alentejo
Cai a noite devagar
No céu um manto rosado
Parece a planície abraçar.
Solitude, ermo, deserto, campos sem ter fim,
É assim meu Alentejo
Que canta só para mim!

De Beja para Lisboa
Setembro 2007

Sem comentários: