quarta-feira, 8 de agosto de 2012

S. Remo e Génova

Dia 30 de Julho

«Finalmente chegámos a Itália. Depois de dois dias e meio de viagem. Eis-nos nesta terra encantada, com sotaque cantado e gestos ondulantes, onde os edifícios são majestosos, a gastronomia uma iguaria dos deuses e os vinhos, doces pecados que nos conduzem ao sétimo céu.
Itália é para mim uma experiência para os sentidos, os olhos extasiam-se com tanta beleza e classicismo, os ouvidos deliram com a música lírica, o palato delicia-se…


Entrados em S. Remo, deparámos com uma importante estância balnear, com edifícios antigos, datados de finais do séc. XIX, quando a aristocracia descobriu as maravilhas da Riviera Italiana. Nesta cidade encontramos verdadeiros palácios, de marca quase colonial, fazendo-nos lembrar os prédios de Havana, apresentando em alguns casos, sinais de evidente decadência nas fachadas.
As praias que visitámos foram também uma desilusão, cheias de pedras e lixo. Ainda assim, cada um arranha um espacinho para se molhar e usufruir do sol.




A segunda paragem foi Génova, cidade portuária, com o maior porto comercial do país, caraterizada pelo tráfego de mercadorias, pelo comércio, por pessoas que chegam e partem em luxuosos cruzeiros, que ali fazem paragem. Génova é um ponto de contacto com o mundo, onde tudo se cruza. É uma cidade histórica, de enorme dimensão, difícil é captá-la na sua essência, sobretudo quando se tem duas horas para visitar o centro.
Aí, percorremos a Piazza de Ferrari, com a sua fonte de bronze, onde se localiza o neoclássico edifício do Banco de Roma, a academia e o Teatro Carlo Felice. O lugar mais importante que visitámos foi o Duomo de San Lorenzo, datado dos princípios do séc. XIII. A sua fachada é gótica, apresentando faixas negras e brancas, e o seu interior revela vários estilos e influências artísticas.

 

O tempo foi curto, não deu para explorar Génova como gostaria, mas foi interessante perder-me um pouco nas suas ruas, sentir o pulsar da vida das pessoas, as quais na sua maioria passeava-se com lindos cães de raça, observar as varandas das casas, as janelas com portadas verdes e imaginar quem viveria lá…


O jantar foi rápido mas deu para provar uma pizza «Marinara», muito simples, com tomate e alho e degustar um maravilhoso vinho «Sangiovenese», da Toscânia.

Sem comentários: