domingo, 21 de outubro de 2007

A Vida Interior de Martin Frost – um filme em livro e no grande ecrã


O filme de que hoje vos falo é um filme que começou por ser uma história paralela do livro «O Livro das Ilusões» do escritor norte-americano Paul Auster, de 2002 (o único que não tenho autografado pelo autor e aquele que mais gostei de todos os que li dele). Neste livro, que aconselho a todos os apreciadores do estilo de Auster, «A vida interior de Martin Frost» é também um filme, o qual é aí interpretado pelo actor Hector Mann, cuja personagem é o fio condutor de todo o romance. O livro é uma peripécia contínua, muito visual, uma autêntica homenagem ao cinema de Hollywood do princípio do século XX, com muitas histórias cruzadas, muitas descrições de filmes, muita imaginação pelo meio.
No «Livro das Ilusões», como tinha já referido, o visionamento da película «A vida interior de Martin Frost» é criteriosamente descrita, como se um guião de filme se tratasse. Conseguimos acompanhar todos os passos, todos os movimentos e diálogos dos personagens, parecendo-nos que também estamos na sala escura a vê-lo.
Ao ir agora ao cinema ver o filme, senti-me a recriar o papel do personagem de David Zimmer, (que no livro visiona o filme) e senti-me espectadora da história pela segunda vez. Confesso que, como esta não era a história principal do livro, existiam muitos detalhes que já não me recordava, mas a mente é prodigiosa e assim que a acção começou a decorrer, ia-me vindo à memória cada cena, cada diálogo, cada desenvolvimento do mesmo.

Esta é a história de Martin Frost, um escritor que passara três anos a escrever um romance e estava a passar uns tempos em casa de uns amigos, que se encontravam fora. Um dia acorda na cama, com uma mulher ao seu lado, que desconhece, e começa aí o desenvolvimento da acção…
A adaptação do filme está muito fiel ao livro, pelo menos na primeira parte do mesmo, embora com algumas diferenças. Na segunda parte, Paul Auster continua a história, mas sem o mesmo encanto e interesse da primeira, divagando um pouco no argumento, assemelhando-se um pouco a um filme de David Lynch, com laivos de comédia, e alguma confusão.
As paisagens são fantásticas, não fosse o facto de ter sido filmado em Sintra, o ambiente é intimista, sendo praticamente todo filmado numa moradia, aí situada. O resultado do filme é interessante, mas reconheçamos que podia ser melhor. Acredito que quem não seja leitor de Auster possa ficar um pouco desiludido, mas entendamos que este é um filme diferente, não é comercial e não se pode comparar com os outros.

Deixo-vos com um excerto do «Livro das Ilusões» para que entrem neste filme austeriano, com as palavras de David Zimmer, sobre o filme da Vida Interior de Martin Frost, que acabou de visionar. «Demorei um pouco a penetrar no filme, a entender o que e estava a passar no ecrã. A acção era filmada com um realismo tão cru, com uma atenção tão escrupulosa aos detalhes da vida de todos os dias, que não consegui apreender a magia que se ocultava no cerne da história (…) Passava-se no interior da cabeça de um homem – e a mulher que entrara nessa cabeça não era uma mulher real. Era um espírito, uma figura nascida da imaginação do homem, um ser efémero enviado para ser a sua musa.»

Sem comentários: