sábado, 25 de agosto de 2007

Dia 11
17 de Agosto de 2007

Este foi um dia muito longo, diria mesmo interminável, com mais de 1200 Kms de viagem desde Barcelona até à 1 e meia da manhã no Marquês de Pombal. Mas, apesar de tudo foi muito fácil de aguentar, graças à boa disposição constante que reinava no piso inferior do autocarro. As anedotas começaram logo no início do dia, sucedendo-se sem parar, contadas à desgarrada. Já não havia riso que aguentasse tanto absurdo…Mas foi uma forma agradável de passar o tempo e de não nos saturarmos tanto.
À medida que nos aproximávamos de casa era evidente o sentimento de melancolia por tudo se aproximar do fim, por ter de dizer adeus aos lugares e às pessoas que conhecemos e com quem tanto convivemos. Em breve, tudo se tornaria apenas lembrança, afinal tinha sido tudo muito intenso e único nestes dias que era difícil pensar em retomar a rotina do quotidiano. Este foi realmente um tempo fora do tempo…
Por outro lado, conforme nos aproximávamos do destino começava a saber bem chegar novamente a casa e recuperar as forças e as energias despendidas. A entrada na fronteira do Caia foi por isso muito saudada, fazia-nos falta ouvir falar novamente português, tomar a nossa biquinha, ver o nosso futebol…
O resultado foi francamente positivo, apesar de tanto andamento e de algum cansaço à mistura. Trouxe tanto comigo destes 11 dias, que mal consigo exprimir em palavras, desde as experiências vividas, as emoções à flor da pele, os sonhos e as fantasias, os companheiros de viagem que encontrei, as gargalhadas e as lágrimas. Trouxe comigo as paisagens verdes e desérticas que atravessei, os rios e as pontes, os palácios e castelos, as igrejas e os santos, as cidades que conheci, amei e deixei. Trouxe a surpresa da descoberta, a inocência e a curiosidade saciadas pelo espírito de conquista e de posse do olhar, mas também a nostalgia do abandono, a saudade que ficou dos locais visitados.
Carrego nesta bagagem infinita de sentimentos, as histórias hilariantes e os momentos de cumplicidade, as alegrias e as tristezas. Pululam recordações e momentos, vivências que não se fixam numa simples fotografia. Resta-nos agora a memória desses cerca de 7000 Kms de jornada fantásticos… Que venham mais, muitas mais! Haja saúde!

Contactos da agência Mil- Andanças
http://www.mil-andancas.pt/

2 comentários:

Anónimo disse...

Ana,

Que pena :-( chegou ao fim....

Escreves muito bem. Escreves com ALMA... continua assim...

beijos grandes
Sandra

Tucha disse...

Chegou ao fim a jornada de intensos dias de viagem mas ficaram as cores, os cheiros, os sons e as recordações de pessoas e de lugares que guardaremos com carinho no nosso coração.

Bjs Tucha ;)