terça-feira, 24 de julho de 2007

«Há dias em que… e há dias em que…»

Todos os dias são um novo recomeçar, mais uma jornada nesta vida, e como tal, os dias nunca se repetem… há uns mais alegres, outros mais tristes, outros mais fantasiosos, inspiradores, cinzentos…apaixonados… depressivos…é assim a vida, nunca estamos iguais, nunca sentimos o mesmo da mesma maneira…temos humores, virtudes, atitudes e o antagonismo faz parte da nossa condição humana.
A pensar nesta nossa vida mundana, Isabel Martins escreveu e Bernardo Carvalho ilustrou um delicioso livro para crianças, intitulado «Um Livro para todos os dias», mas também para os adultos que gostem de livros ilustrados.

«Cada manhã traz-nos sempre um dia por estrear, um dia por abrir, um dia por desembrulhar… Mais tarde, quando fazemos o balanço dos dias, encontramos dias para todos os gostos, desde aqueles verdadeiramente memoráveis, aos que passam por nós quase sem darmos por eles. É um livro pelo qual desfilam muitos dias e momentos, capazes de nos transportar através da memória dos nossos próprios dias.»


Depois de o folhear, e de fazer uma primeira leitura, fiquei a pensar nele e escrevi o seguinte, começando sempre como no livro, por «há dias em que… e há dias em que…», porque às vezes vale a pena sentir a mente solta e leve e voltar a sentir o espírito da infância…

«Há dias em que a fúria se abate sobre mim e o rosto se endurece de tédio e de vazio, e há dias em que cantam rouxinóis nos beirais e apetece saltar da cama com sorrisos primaveris.
Há dias em que a tristeza corrompe por dentro as entranhas e a alma presa, não se espreguiça, e há dias em que apetece sonhar com palhaços de caras coloridas e rir em gargalhadas estridentes e agudas.
Há dias em que trago dentro de mim a ansiedade de respostas adiadas e há dias em que a esperança me invade e faz a creditar em novas possibilidades.
Há dias em que as lágrimas escorrem como rios revoltos e há dias em que o riso se solta e corre livre pelos campos.
Há dias assim, como este em que só me apetece partir para parte nenhuma, fazer as malas cheias de nada e percorrer o mundo de lés a lés, e há dias em que me apetece permanecer, sentir o calor dos que me rodeiam e sentir-me em casa.
Há dias em que me apetece gritar ao mundo a minha voz e fazer ouvir aquilo que sinto e há dias em que só me apetece dormir.»

E os vossos dias como são?
Façam também este pequeno exercício, até com os vossos petizes se os tiverem e enviem-me os vossos comentários, digam de vossa justiça, para tornar este espaço mais interactivo e dinâmico…deixem-se levar pela criança que há em vós…

Seize the day!

Mais sobre o livro
http://www.guiadafamilia.com/biblioteca/livro_detalhe.php?id=6
http://www.planetatangerina.com/publico/index.php
http://pequenoheroi.blogspot.com/2005/06/um-livro-para-todos-os-dias.html

1 comentário:

Anónimo disse...

Bom dia Amiga,

Amei o texto... divinal... fiquei cheia de vontade de ler o livro :-). tb concordo, quando se diz que os dias são todos diferentes, porque em cada um deles existe o renascer da esperança que nos mantem agarrados à vida...

um optimo dia :-)

beijos

Sandra