terça-feira, 31 de julho de 2007

Lisboa fervilha…

Em tempo de verão e de férias para muitas pessoas, Lisboa está mais dinâmica do que nunca, oferecendo múltiplas actividades a quem a percorre. Caminhando pela Baixa Pombalina, deparamos com muita gente vinda de todos os lados e lugares, uns desfrutam do lazer, da descoberta de conhecer a cidade cheia de luz, outros passam mais apressados no seu percurso diário para casa.
Como vivi na baixa grande parte da minha vida, esta é aquela que considero a minha verdadeira terra, por isso sempre que posso gosto de me embrenhar nas suas ruas direitas e paralelas e descobrir coisas novas.
Hoje o caminho levou-me até à Praça da Figueira, onde decorre uma Feira de Artesanato Internacional organizada pela Câmara Municipal de Lisboa em parceria com Médicos do Mundo - Portugal (MdM-P). Inclui satndas do Brasil, Índia, Equador, Senegal, Egipto, Marrocos, Tailândia, Peru, Colômbia, Rússia, Nepal, África do Sul, Quénia. Os fundos angariados revertem a favor dos projectos de MdM-P. e estará patente até ao dia 3 de Agosto.
Vale a pena ir até lá, porque há coisas interessantes, pareceu-me que não são muito caras, e depois é por uma boa causa.
Na estação dos comboios do Rossio está uma exposição itinerante, que vale bem a pena ver, a «Máscara Ibérica». Nela podemos ver algumas máscaras utilizadas em rituais festivos do nordeste transmontano e também em Espanha. Apresenta a maior mostra de Máscaras de Lazarim, algumas com mais de 50 anos.
Trata-se de uma exposição pequena, mas cheia de cor, enriquecida pelas belas fotografias espalhadas pelo recinto e por alguns trajes utilizados com as máscaras.
Estas associam-se aos rituais de Inverno, que têm lugar em tempo de repouso, pois as colheitas já terminaram. Um das mais conhecidas é o culto de Santo Estêvão, associado às festas dos rapazes, que decorrem de 24 de Dezembro ao dia 6 de Janeiro, em muitas localidades do nordeste transmontano. Nesta festa, os rapazes, com pelo menos 16 anos, depois da missa do Natal, envergam máscaras e trajes e percorrem as casas vizinhas, amedrontando mulheres e crianças, fazendo com que estas se concentrem no largo da aldeia, onde prossegue o restante ritual. Outra festividade importante onde as máscaras são utilizadas é o Entrudo de Lazarim, no concelho de Lamego.
Ora grotescas, ora medonhas, elas fazem parte do nosso património cultural, transgridem regras, aproximam-se do sagrado e do profano, permitem ocultar o que não é possível exibir na realidade. Constituem um legado desse país, tantas vezes esquecido e desconhecido, que é importante descobrir.
Horário de visitas:
Dias de semana: 10.30h – 19.30h
Fim-de-semana: 11.00h – 21.00h
Entrada – 2.50€ das 11.00h às 15.00h incluindo Porto de honra (parte das receitas revertem para a Associação Abraço)
Das 15.00h às 19.30 a entrada é livre
A exposição estará patente até dia 2 de Setembro


E porque Lisboa não pára, o Festival dos Oceanos está já aí, e com ele muitas actividades a não perder, como concertos, exposições, desfiles, palestras, entre um mar de coisas. No sábado há a registar um concerto na Praça do Comércio com muita animação e fogo de artifício pela 1.30 da manhã. Quem gostar, não falte!

1 comentário:

Anónimo disse...

Vou ver se passo nessa feira de artesanato! Obrigada pela dica!
Bjs da mana